...

Resta esta história que conto, você ainda está me ouvindo?

domingo, 23 de novembro de 2008

sem nome.

Rostos, cenas, rascunhos

Presença, não-presença

Sobras de algo vivo, pulsante,

Passivo.

(...)

Na paixão por roteiros prontos,

Fuga.

Palavras desconexas

Pra passar a limpo,

Uma vida só de cenas.


É parte, ainda, da parte, que me faz ser tudo.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Gerânio - Marisa Monte

Ela que descobriu o mundo
E sabe vê-lo
do ângulo mais bonito
Canta e melhora a vida, descobre sensações diferentes
Sente e vive intensamente
Aprende e continua aprendiz
Ensina muito e reboca os maiores amigos
Faz dança, cozinha, se balança na rede
E adormece em frente à bela vista
Despreocupa-se
e pensa no essencial
Dorme e acorda
Conhece a Índia e o Japão e a dança haitiana
Fala inglês e canta em inglês
Escreve diários, pinta lâmpadas, troca pneus
E lava os cabelos com shampoos diferentes
Faz amor e anda de bicicleta dentro de casa
E corre quando quer
Cozinha tudo, costura, já fez boneco de pano
E brinco para a orelha, bolsa de couro, namora e é amiga
Tem computador e rede, rede para dois
Gosta de eletrodomésticos, toca piano e violão
Procura o amor e quer ser mãe, tem lençóis e tem irmãs
Vai ao teatro, mas prefere cinema
Sabe espantar o tédio
Cortar cabelo e nadar no mar
Tédio não passa nem por perto, é infinita, sensível, linda
Estou com saudades e penso tanto em você
Despreocupa-se
e pensa no essencial
Dorme e acorda

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Começo ...

Gosto de escrever, mas acho que prefiro as citações, aquelas que falam pela gente. Não que não vá ter um monte de pensamentos confusos ou não meus, que na verdade, nunca pensei em deixar serem lidos.

Gosto muito pouco de me expor, mas as vezes a gente precisa ser lido, precisa dizer (ou escrever nesse caso), como forma de libertação. E as palavras são um arte inegável, consagrada por diversos poetas. E na vida, tem momentos que precisamos nos libertar ...

Diálogo do filme Vicky Cristina Barcelona:

- Ainda é apaixonado por ela.

- Não. Não sou. Não sou.

- Isso confirma que é.

- Não, ela será sempre uma parte de mim. É uma pessoa importante na minha vida.

Mas para nós, alguma coisa não estava dando certo.

- Que coisa?

- Nunca descobrimos.